Desenhada a partir da ideia da sobreposição de reservatórios de água, a bio-torre é capaz de armazenar água para até um milhão de pessoas.

E essa água será tratada conforme os padrões que já são utilizados pelas estações existentes. Contudo, a diferença está na captação dos recursos, onde a premissa é receber a água das chuvas e aquela utilizada pela cidade, permitindo que os reservatórios principais (o Cantareira, por exemplo) se mantenham estáveis.

Para manter o reservatório sempre em funcionamento, será gerada energia elétrica pela pressão da queda da água, permitindo que o edifício se alimente por ciclos autossustentáveis.

Acreditamos que devemos aproximar o futuro do presente e deixar de persistir em soluções do século passado. O caminho para o crescimento e a sustentação de São Paulo, merece ser repensado.

0039 - perspectiva 2

As atividades que o arquiteto desempenhou durante a realização do projeto, foram: criação e desenvolvimento.


Data do projeto | 2012

Localização | São Paulo, SP | Brasil

Escrito por Rafael L. Carlesso

Arquiteto, urbanista e pesquisador na área de sociologia urbana e filosofia.